Novidades musicais de todos os tempos. Também estamos em:

Flickr : Youtube : Twitter : Facebook

Destaques do site:





quarta-feira, 11 de março de 2009

Ataque homofóbico que Pedro sofreu na Lapa-RJ

Só copiando o que chegou no meu email via lista do coletivo CMI-Rio:

"de Solange Tô Aberta!
responder a "Lista de trabalho do coletivo local CMI Rio de Janeiro."
para contato@midiaindependente.org
data 3 de março de 2009 13:05
assunto [Cmi-rio] Ataque homofóbico que Pedro sofreu na Lapa-RJ.‏
lista de e-mails  cmi-rio.lists.indymedia.org Filtrar as mensagens dessa lista de e-mails
enviado por lists.indymedia.org

Ataque homofóbico que Pedro sofreu na Lapa-RJ

Boa tarde, amigxs.
Após uma semana animadíssima de carnaval e de um show bombástico ao lado de Tati Quebra-Barraco e Zuzuka Poderosa, na última quinta-feira, no clube Fosfobox, fui vítima de violência homofóbica em plena Lapa, na rua Joaquim Silva. 

No dia 02 de março de 2009, aproximadamente 1 da madrugada, estávamos eu e minha amiga Ainá voltando pra casa quando decidimos parar no bar Gatão, localizado na Rua Joaquim Silva. Sentamo-nos em frente à escadaria de azulejos, mundialmente conhecida, onde eu encontrei um amigo do movimento punk carioca. Cumprimentei-o com um selinho na boca e foi o estopim para que um grupo de mais ou menos dez rapazes muito jovens (um deles com uma garrafa de cerveja na mão) nos cercassem, gritando insultos por causa do beijo e avisando que aquela “era a área deles”. Conseguimos nos esquivar, em meio a diversas ameaças, e entramos no bar Gatão. 

Eu e Ainá fomos em direção a nossa casa, mas nosso amigo decidiu permanecer porque havia encontrado dois conhecidos seus no interior do bar. Segundos depois, quando já havíamos nos distanciado alguns metros, olhamos para trás vimos nosso amigo vindo desesperadamente em nossa direção e o mesmo grupo homofóbico estava a persegui-lo: haviam acabado de espancá-lo na frente do Bar Gatão, ficando seriamente lesionado por socos e pontapés. Saímos correndo eu, Ainá e ele e logo avistamos uma viatura estacionada. Explicamos que estávamos sendo perseguidos por um grupo e o policial perguntou laconicamente “Vocês estavam na escadaria?, então vão pra casa!” – ordenou. Os policiais entraram na viatura e, para nossa surpresa, simplesmente ignoraram a situação e foram embora. 

Devido à má vontade da polícia em nos ajudar, meu amigo não teve coragem de prestar queixa na delegacia. Eu, apesar de ter saído ileso fisicamente, estou emocionalmente tão abalado quanto ele que apanhou covardemente de um grupo de dez homens.

Quero divulgar esse fato tão comum no cotidiano dos homo, bissexuais e queers mas infelizmente passa despercebido na imprensa e nas estatísticas de violência urbana. Por favor, me ajudem a divulgar esse email para que o fato seja registrado e tome conhecimento público.

Pedro Costa"

Nenhum comentário: