Novidades musicais de todos os tempos. Também estamos em:

Flickr : Youtube : Twitter : Facebook

Destaques do site:

quinta-feira, 22 de novembro de 2007

Show: Arnaldo Antunes

A equipe de La Cumbuca esteve terça-feira, na Modern Sound, loja de discos de Copacabana, que ficou lotada para assistir à apresentação de Arnaldo Antunes, que começa a divulgar seu novo DVD "Ao Vivo No Estúdio", dando sequência à sonoridade de seu último álbum, Qualquer, onde privilegia instrumentos de cordas e piano e abdica completamente de instrumentos percussivos.



No DVD e no show, porém, há o acréscimo de sanfona em várias músicas, além de teclados com efeitos diversos. A sonoridade do disco Qualquer, tão rica, uma mistura de neo-folk com Novos Baianos, fica bem mais simplificada na apresentação, com o violão às vezes lembrando aqueles artistas que tocam covers em barzinhos - mas afinal, o show era no bar da Modern Sound, então nada de errado nisso, né?



A vantagem é que, com isso, se sobressai a voz do Arnaldo, que parece explorar muito mais seus tons, ora graves, ora anasalados e realçar cada palavra cantada.



O show iniciou com a música "Qualquer", do disco de mesmo nome. Em "Hotel Fraternité" Arnaldo começa a se movimentar pelo pequeno palco de sua maneira já característica, aproveitando para interagir com o pequeno telão com projeções em preto e branco, virando-se de costas pra platéia e por vezes girando com o pedestal do microfone dobrado.



Em "Socorro", talvez um de suas músicas mais famosas pós-Titãs, já que fora muito executada na rádios na interpretação de Cassia Eller, ele pede pro pessoal cantar junto, o que é prontamente retribuído.



Antes de "Contato Imediato" avisa que é uma música "da tribo", em referência aos seus colegas Tribalistas, Carlinhos Brown e Marisa Monte, co-autores da canção.



Já no final, em "O Silêncio", que perde um pouco de vigor sem uma bateria, Arnaldo no meio da música canta a bossa nova "Desafinado" sem acompanhamento sonoro, de forma pungente, crua e... desafinada (heh), terminando a canção misturando frases das duas canções e usando o próprio corpo como percussão na parte onde diz que "no peito dos desafinados também bate um coração", que depois se transformou em "também bate nesse tambor".



Arnaldo nem saiu do palco e já emendou um bis com uma canção inédita ("Quarto de Dormir"), uma regravação de Lupicínio Rodrigues ("Judiaria") e, pra encerrar de vez, uma versão pra cima de "O Pulso", que tenta, e às vezes consegue, fugir do marcante arranjo original.





Setlist fora de ordem:

Qualquer
Hotel Fraternité
Saiba
Socorro
Sem você
Pedido de Casamento
Se Tudo Pode Acontecer
Não Vou Me Adaptar
Contato Imediato
Num Dia
Qualquer Coisa
Fim do Dia
Luzes
O Silêncio (citação de desafinado)
Judiaria (bis)
Quarto de Dormir (bis)
O Pulso (bis)

***********************************************************************

Não temos fotos nem vídeos do show, mas vale a pena acessar os vídeos do Música de Bolso, onde Arnaldo Antunes toca em uma obra (!) e numa praça de manhã:

http://www.musicadebolso.com.br/videos/volume05/index.html

Nenhum comentário: