Novidades musicais de todos os tempos. Também estamos em:

Flickr : Youtube : Twitter : Facebook

Destaques do site:

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Passado: HPP 2009 - 21

Mais um texto sobre os shows do Humaitá Pra Peixe em 2009, dessa vez falando de Madame Machado e Escambo.


27/01/09
Diferentes Rotas Para o Destino Música

Último dia do HPP09 no Sérgio Porto esbanja diversidade



De todos os dias da edição deste ano do Humaitá Pra Peixe, nenhum teve atrações tão diferentes entre si, como no último dia de shows no Espaço Sérgio Porto. Que bom! Não havia nada que fizesse uma ligação entre o rápido ska mesclado ao hardcore da Madame Machado e ao samba-poesia do Escambo. Nada, a não ser que foram duas ótimas apresentações onde cada banda levou seu público em grande quantidade e até interessado em conhecer o que era diferente.



A Madame Machado, primeira banda a se apresentar, levou literalmente seu público para o HPP. Aliás, literalmente não, levou foi de van mesmo. A vandame, como o veículo foi carinhosamente apelidado, partiu da Lona Cultural de Realengo, que fica no subúrbio do Rio de Janeiro, e foi buscando seus fãs até chegar à Zona Sul, onde fica o bairro do Humaitá.



O motivo para o ponto de origem desse trajeto é que a maioria dos fãs que apóia e acompanha a Madame vem da Zona Oeste, do subúrbio e da Baixada Fluminense. E a turma da vandame era de longe a mais animada na festa que a Madame Machado fez.



Só perderam no quesito empolgação para Eskeleto, o trompetista da banda que vem fantasiado como um, adivinhem, esqueleto e com máscara de filme de terror. Quando não está tocando, está dançando ou pulando e às vezes fazendo tudo isso. A animação em cima do palco também está no restante da banda. O vocalista e guitarrista Bema Gonzalez chega a distribuir cds e adesivos ao som do tema do filme Rocky, tocada pelo grupo.



Outra versão inusitada da noite foi a transformação de "Livin' La Vida Loca", do ex-menudo Ricky Martin em um ska veloz e distorcido. É um tanto quanto comum grupos de ska, em particular os mais novos, fazerem versões de músicas conhecidas de outros ritmos. Uma dessas versões mais famosas é "Take On Me", sucesso do A-Ha que recebeu o toque ska pelos americanos do Reel Big Fish e tocada aqui pelo Madame Machado.



Mas é nas músicas próprias com estrofe de ska e refrão punk rock do Madame que os adolescentes curtem mais, com palminhas marcadas em "Beijo de Cinema", coro em "Quarta-Feira" e roda de pogo em uma versão turbinada de "Surf na Privada", com direito ao Eskeleto dançando no meio da galera.



Pausa para troca de palco e de um universo completamente diferente. Era até possível supor que fosse um outro tipo de público a acompanhar o Escambo, mas não foi bem assim.



Havia um número considerável de pessoas que estavam ali assistindo Madame Machado e depois estavam balançando o corpo nos momentos mais dançantes do Escambo. Ou pelo menos acompanhando o show, mas muitos já sabiam cantar os versos do grupo.



O trio principal, que fica à frente e canta, faz lembrar o modo de trabalho dos projetos colaborativos atuais que bebem em Novos Baianos (na música "Florzinha") e Clube da Esquina (na música "Batizado").



Mas um pouco diferente de um Doces Cariocas, como exemplo de quem faz bem o resgate dessa forma de trabalhar a música, com o Escambo há mais despojamento, mais informalidade, que se faz notar nos pés descalços dos três da frente e nas participações das cantoras Pati Oliveira em uma música e Aline Paes em outra (esta, também descalça).



É como se Thiago Thiago de Mello e Renato Frazão estivessem com seus violões na sala de casa, ouvindo as poesias do tecladista Lucas Dain, como é o caso da suíte "Janelas".



Não que esse despojamento signifique que a sonoridade seja simples. Há um outro trio atrás com guitarra de André Siqueira, contrabaixo ora elétrico, ora acústico de Tássio Ramos e peças de percussão que quase formam um kit de bateria, batucado por Samantha Rennó.



Os arranjos disso tudo com os violões e os teclados são bonitos e sabem trabalhar bem onde está o silêncio nos momentos plácidos e onde é preciso ritmo e um pouco mais de alegria, com sambas e marchinhas no final.



O HPP09 se despede do Sérgio Porto mostrando um monte de possibilidades na boa música. Lá fora, a vandame espera para levar seus passageiros pra casa.

Nenhum comentário: