Novidades musicais de todos os tempos. Também estamos em:

Flickr : Youtube : Twitter : Facebook

Destaques do site:

sexta-feira, 9 de junho de 2017

Vídeos: Lee Fields & The Expressions no Rio de Janeiro (07/06/2017)





Revisitar outras épocas musicais pode ser sinal de falta de criatividade, como pode ser uma homenagem e até a busca de novas ideias diante daquilo que já existiu. E quando um grupo de músicos nerds ama tanto um certo período e ainda tem a chance de trabalhar com lendas desse período, que é a soul music norte-americana, devotos e contemporâneos do ápice de James Brown e Aretha Franklin que nem sempre tiveram o reconhecimento merecido na época em que surgiram?







Além de cantoras como Amy Winehouse e grupos como The Black Keys (estes uma dupla de rock mais garageiro, mas interessados no soul/funk/r&b dos 60/70), outros músicos foram buscar nesses cantores da época a coisa mais "real" possível. Então vimos nos últimos anos o surgimento/ressurgimento, descoberta/redescoberta das vozes poderosas de Sharon Jones, Bobby Womack, Charles Bradley e Lee Fields.







E foi Lee Fields que veio esta semana ao teatro Casa Grande no Rio de Janeiro para mostrar músicas da retomada de sua carreira nos últimos 15 anos. A casa no Leblon teve um bom público para receber o cantor e sua banda, The Expressions, alguns dos tais músicos aplicados em retomar o soul e funk de décadas atrás.







A banda entra primeiro, todos elegantemente uniformizados, já começando a tocar, até que o saxofonista faz as vezes de mestre de cerimônias para anunciar a entrada do cantor, trajando um brilhante paletó vermelho.







Aqui no La Cumbuca já tivemos a bela oportunidade de assistir a apresentação de Charles Bradley no Primavera Sound em Barcelona e tudo que acontece no show dos dois cantores é muito semelhante: a banda toca uma música, um dos músicos apresenta o cantor, o cantor deixa todo mundo embasbacado, se retira deixando todo mundo querendo mais, a banda toca mais uma instrumental e o cantor volta, vestindo outra roupa, para a consagração final. Fórmula vencedora em ambos os casos.







As diferenças são, entre outras coisas, a voz rascante e a performance explosiva de Bradley, enquanto com Lee Fields é tudo, pelo menos de início, um tiquinho mais comedido, mais voltado a explorar lindas melodias e emoções da soul music. Dá pra dizer que é um fogo que começa baixinho antes de incendiar a Casa Grande.







É uma tarefa árdua, considerando que o público do teatro no Leblon até obedece as batidas de palmas e levanta quando Fields manda, mas na maior parte do tempo não corresponde ao calor do espetáculo e prefere ficar aboletado nas cadeiras, com exceção de alguns mais empolgados que felizmente tomam uma das laterais da casa. É o mínimo que poderia acontecer em um show produzido pelo pessoal do Queremos e que chama de "empolgados" os fãs que conseguem trazer os artistas.







Lee Fields não se dá por vencido e faz toda sua performance conforme o programado, não só cantando, mas dançando, interagindo e se entregando às suas canções. Dessas, a melhor é "Make The World", mais funkeada e pesada que a média do setlist. Quando volta para o bis já com novo figurino, o público finalmente abandona as cadeiras e uma boa parte vai para a frente do palco acompanhar de perto "Honey Dove", com um final que é um "soul-hardcore" incrível. Um show curto, de pouco mais de uma hora, porém bem mais do que o Rio de Janeiro mereceu.







Veja quatro vídeos do show aqui ou abaixo:





Músicas gravadas:

- Introdução, "I'm Coming Home"

- "Special Night"

- "Make The World"

- "Honey Dove"

Nenhum comentário: