Novidades musicais de todos os tempos. Também estamos em:

Orkut : Flickr : Multiply : Youtube : Twitter : Facebook

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Dunga, Globo, Twitter e as ofensas

Dunga, como todos sabem, em entrevista coletiva após a vitória do Brasil em cima da Costa do Marfim, dirigiu alguns, hum, adjetivos ao jornalista Alex Escobar, da Rede Globo. “Besta”, “burro” e “cagão” teriam sido ditos em voz baixa pelo técnico da seleção brasileira após ter perguntado ao jornalista se havia “algum problema”, ao que Escobar respondeu que “nem estava olhando” para o Dunga.


A primeira informação dava conta que Alex estava balançando a cabeça negativamente enquanto Dunga respondia a uma pergunta sobre o Luís Fabiano. Mais tarde, em editorial no Fantástico, Tadeu Schmidt informava que no momento em que isso acontecia, Alex Escobar estava falando com ele ao celular.


O acontecimento, segundo interpretação de editorial da Globo, lido em seus principais noticiários de domingo (Fantástico, Sportv, Globonews) teria sido assim:



O técnico Dunga, no comando da seleção há quase quatro anos, não apresenta nas entrevistas um comportamento compatível com a imagem de alguém tão vitorioso no esporte. Com frequência, ele usa frases grosseiras e irônicas. Hoje, depois de uma vitória incontestável, mais uma vez, foi assim.

O episódio aconteceu quando o jornalista da TV Globo Alex Escobar, que conversava com Tadeu Schmidt no telefone, balançou a cabeça por discordar da frase em que Dunga acusava os jornalistas de terem pedido que Luis Fabiano fosse tirado do time titular depois do primeiro jogo da Copa, contra a Coreia do Norte.

Era a segunda resposta de Dunga na entrevista oficial da Fifa com os técnicos. Quando falava sobre o caso de Luis Fabiano, o treinador interrompeu a resposta para interpelar o jornalista. Em seguida, Dunga ficou balbuciando palavrões que vazaram no sistema de som da sala de entrevistas. Foram xingamentos gratuitos. No intervalo de 30 minutos, entre o início e o fim da coletiva, o técnico foi irônico outras vezes, sempre tendo a imprensa como alvo.

“Não adianta a gente dar muito tempo livre. Porque, se a gente dá tempo livre para sair, vocês vão atrás deles. Então, quer dizer que não é folga, é trabalho. Então, é melhor eles ficarem lá, relaxados, tranquilos, esperando o próximo jogo. Quem tem contusão, a vai tentar recuperar o mais rápido possível. E ir tentando lapidar cada jogador e o que cada um precisa”, comentou o técnico.

No fim, ainda irritado, Dunga se levantou e continuou pronunciando outros xingamentos e palavras impublicáveis. Um comportamento incompatível com a posição que ocupa no comando da seleção.

O que precisa ficar claro em mais esse episódio é que torcemos muito para que a seleção chegue à conquista de mais um título mundial. E que a preocupação do jornalismo da Rede Globo sempre foi a de levar a melhor informação a você, telespectador, independentemente de quem esteja no comando.

Link





Nem vou comentar a grande capacidade auditiva de Alex Escobar de falar com Tadeu Schmidt ao celular ao mesmo tempo que ouvia e discordava do que Dunga estava falando.

E não vou discordar daqueles que acham que o Dunga não bate bem da cabeça. Talvez não bata mesmo. Eu não sou psicólogo. Mas xingar alguém por ter balançado a cabeça negativamente? Será que a raiva do treinador e ex-jogador campeão do mundo em 1994 é tanta da imprensa a esse ponto?

Os julgamentos da maior parte da imprensa, justo ela que deveria ouvir todos os lados de uma história, foram veementes e iam bem próximos ao editorial da Globo. Mas não foram unânimes. O jornalista Maurício Stycer fez o que era necessário nessa história: esmiuçar as possíveis causas para o destempero de Dunga.


O UOL Esporte apurou que a Globo negociou diretamente com Ricardo Teixeira, presidente da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), entrevistas exclusivas com três jogadores da seleção, entre os quais Luis Fabiano. As entrevistas iriam ser exibidas durante o programa “Fantástico”, no domingo, horas depois da partida contra Costa do Marfim, vencida pelo Brasil por 3 a 1. Dunga vetou o acerto.
O incidente entre Dunga e Alex Escobar ocorreu quando o jornalista conversava ao telefone com o apresentador Tadeu Schmidt exatamente sobre este assunto. (...)
Diversos jornalistas na sala de entrevistas ouviram Escobar desabafar: “Insuportável, bicho, insuportável. O Rodrigo (Paiva) foi revoltado lá falar comigo, cara. O Dunga não deixou. Ninguém. Caraca, nem o Luís Fabiano. Infelizmente. Valeu, Tadeuzão”.

Link



Nessa matéria, há a confirmação da Globo sobre as informações levantadas pela reportagem do Uol.

Também são interessantes os artigos encontrados no portal Terra.

Dunga divide e racha com a Globo, que reage


Dunga não cede e Globo recua para não ser “vilã”





Ou seja, independente do que você pensa sobre o Dunga e se a atitude dele é correta, é notório que a Globo não contou tudo o que sabia sobre o assunto, já que ela provavelmente é personagem e motivo importante para a reação grosseira do Dunga. E continua não informando sobre o acordo que eles tinham com a CBF, vetado por Dunga e sobre a conversa travada entre Alex Escobar e Tadeu Schmidt.

Mesmo sem saber sobre o que conversavam no telefone os dois contratados da emissora, os espectadores e internautas reagiram fortemente, colocando a frase CALA BOCA TADEU SCHMIDT nos assuntos mais comentados na rede social Twitter, a exemplo do que já havaí sido feito com o já famoso CALA BOCA GALVÃO, um apelo para que o locutor Galvão Bueno pare (no mínimo) de falar bobagens.

A diferença é que nesse caso a reação foi instantânea e o que parece demonstrar é que não foi tanto por apoio ao comportamento de Dunga e, sim, de insatisfação com a Globo em relação ao episódio. Atacar duramente o técnico da seleção brasileira após uma vitória, por conta de uma briga com jornalista (e que na verdade é com a Globo e por motivos que vão além dos xingamentos) tornou a poderosa empresa de comunicações antipática e desagradou os torcedores. Hoje em dia a resposta a isso fica muito mais visível, não só no twitter como nos comentários de blogs e portais de notícias, discordando daqueles que tentam criticar o Dunga pelo assunto.


--------------------------


Por outro lado, é preciso que muitos jornalistas esclareçam se realmente se horrorizaram com o fato de Dunga chamar baixinho (mas olhando fixamente) Alex Escobar de “besta”, “burro” e “cagão”. Alguns dos jornalistas deram o seguinte tratamento ao treinador após esse entrevero:


“Babaca”, “escroto”: Arnaldo Bloch

“Rei dos clichês do futebol”, “o conhecimento do vernáculo nunca foi o forte do treinador” (chamou de ignorante), “apesar do mal que faz aos ouvidos seus já famosos “com nós” e que tais”: Renato Maurício Prado

“jogador tecnicamente medíocre”: Zuenir Ventura


Sim, todos do Globoonline, do jornal O Globo.

E aqui também:


"(estou) perplexo e um tanto temeroso pela saúde mental do técnico brasileiro": Alberto Helena Jr.

"completamente enlouquecido", "insuportável": José Trajano


E antes das ofensas de Dunga, muitas eram as críticas agressivas contra ele, algumas que nada tem a ver com o futebol. Pra ficar em poucos exemplos:


"A filha definitivamente quer expor o pai ao ridículo": Telmo Zanini, sobre a roupa de Dunga, criação da filha estilista


"Ele vai cometer os mesmo erros de português...": Milton Leite


Dessa forma, e o material de jornalistas atacando o Dunga é farto, fica mais curiosa a "acusação" do editorial da Globo de que o treinador usa frases grosseiras e irônicas. Entendo que estes não devem ver nada de ruim nas agressões verbais de Dunga, caso contrário não agiriam da mesma forma, ou então acreditam que um erro justifica outros...


Como disse Arnaldo Branco em seu twitter, "xingou o técnico, é jornalismo; xingou os jornalistas, é crime contra a liberdade de imprensa".


---------

Fora o lance (não, não o Lance) em que Globo e Folha de São Paulo foram ao porta-voz da Fifa perguntar se a entidade ia punir o treinador! Acompanhe o replay da entrada desleal por trás da Folha:

Questionado pela Folha sobre o caso, Nicolas Maingot, porta-voz da Fifa, disse: "Eu ainda não sei de nada, é a primeira vez que ouço isso [sobre palavrões de Dunga]. Mas vamos acompanhar". Após a entrevista coletiva de Maingot, outro assessor da entidade pediu à Folha detalhes sobre os xingamentos proferidos pelo treinador e afirmou que iria requisitar os vídeos para analisar o caso ainda hoje (dia 21).

Link


Felizmente os que tentavam punir Dunga durante a competição ficaram a ver navios, como a própria Folha informou. Curiosamente, os termos da matéria da Folha são muito semelhantes aos d'O Globo, tanto quando questionava a Fifa por uma punição, quanto quando lamentava por não haver punição, fazendo inclusive a mesma comparação com uma punição anterior imposta ao técnico argentino Maradona.





Peço enormes desculpas ao meu comparsa Túlio Brasil por falar algo distante do universo do La Cumbuca (e do qual ele tavez discorde), mas esse assunto (que nem é sobre futebol, e sim sobre o comportamento da mídia) foi mais forte do que eu e meu auto-controle para escrever tantas bobagens.

7 comentários:

Anônimo disse...

Aqui tem um artigo muito bom sobre isso: http://oglobo.globo.com/rio/ancelmo/chopedoaydano/

Jeferson Farias Calazans disse...

Anônimo o escambau, sou eu Jeferson.

André Monnerat disse...

Mas não foi o Dunga que deu exclusiva pro Jornal Nacional, ao vivo, sorrindo, no dia da convocação da Seleção pra Copa?

Anônimo disse...

entrei no blog errado

Anônimo disse...

Jeferson, gosto dos textos do Aydano, mas esse texto é anterior ao acontecido. E ainda por cima comete o mesmo erros dos patrões dele, ao tratar problemas pessoais do Dunga como crimes (a falta de cultura, o temperamento explosivo) em plena época de Copa do Mundo, quando tudo que o distinto público quer saber é se ele está escalando bem ou mal e se a seleção vai ser campeã. O texto só é bom por conta da caixa de comentários, que é uma prévia da reação dos torcedores depois do editorial global.


André, um dos textos do Terra Magazine que eu coloquei no post fala justamente sobre isso, vou copiar aqui:

"Nos idos da Copa América e Olimpíada, eventos que acompanhei, Dunga distribuiu fartamente bordoadas contra o sistema Globo. Durante e depois. Basta consultar os noticiários, capturar o que disse aqui e ali o técnico. São fatos.

Fato é, também, que depois disso tudo um acordo foi costurado. Com a participação do diretor de Comunicação da CBF, Rodrigo Paiva, encontraram-se o presidente da CBF, Ricardo Teixeira, e um dos Marinho da Globo.

Selou-se, então, um acordo de paz, de convivência por conta dos mútuos interesses. Não por acaso duas entrevistas exclusivas ao Jornal Nacional na Copa das Confederações, não por acaso Dunga na bancada do Jornal Nacional depois da convocação para a Copa de agora.

Isso é inegável. São os fatos. Não há como negá-los.

Mas, havia, há um Dunga no meio do caminho. Com a mesma determinação que jogou em 94, que então protegeu Romário de si mesmo e do assédio da mídia, Dunga agora se fecha com seu grupo."



Último anônimo dos comentários, você entrou no blog errado, com certeza, já que aqui qualquer um pode zoar, xingar, discordar com o próprio nome.


Otaner

Ultimo anonimo disse...

Direito de Resposta

Agora entrei no blog certo, Otaner

Anônimo disse...

pois é....a CBF deveria ser mais independente da Toda-Poderosa Globo, toda essa conversa-de-comadre só por causa de uma entrevista EXCLUSIVA p a SRa. D.GLOBO...mas se ele tivesse sido campeão, tudo isso passaria desapercebido e ele continuaria no posto. Infelizmente tudo começou pq ele n quis convocar os platinados.