Novidades musicais de todos os tempos. Também estamos em:

Flickr : Youtube : Twitter : Facebook

Destaques do site:

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Passado: HPP 2009 - 14

Resenha sobre os shows do Catch Side e Supergalo para o site do Humaitá Pra Peixe 2009:

11/01/2009
A molecada e os novos veteranos do Rock


Ídolos teen e roqueiros tarimbados: Catch Side e Supergalo completam o primeiro fim-de-semana do HPP09



Entra ano e sai ano e já é até fácil de prever: o show das bandas de punk-pop preferidas dos adolescentes (especialmente das adolescentes) já começa nos comentários na apresentação dos artistas aqui no site do festival.



Já foi assim com ForFun, Scracho, Fresno, Strike e agora, com um grupo que segue a mesma linhagem, não é diferente, apesar de um público não tão numeroso, como talvez fosse possível supor a quantidade de visitas a vídeos da banda no youtube. "Será supimpa", "vai ser perfeito", já dão uma pequena idéia da ansiosidade que uma apresentação de bandas como Catch Side desperta em seu público.



Público que não quer só ver a banda. Quer se fazer presente, seja comentando no site do festival, no fotolog do grupo, ou com gritos para receber os quatro garotos. Meia hora antes de começar, os fãs já se acomodavam em frente ao palco, ignorando as cadeiras da Sala Baden Powell.



A oportunidade de ficar perto dos ídolos é disputada ali centímetro a centímetro, mas nada feroz não; afinal muito são amigos que já se conheciam ou estavam se conhecendo naqueles instantes pré-show, onde se divertem, fazem piadas, brincam e tentam chamar a atenção dos roadies ajeitando o som.



A idade média desse público encostado em frente ao palco talvez seja a mesma idade que tem o HPP: 15 anos. E tem também os (as) de 14 anos, 13, 12.



Apesar dos adolescentes e pré-adolescentes presentes, Bruno Levinson, antes de anunciar a atração, dedica aquele domingo à Dona Esther, uma simpática velhinha que tem ido aos shows do festival que acontecem ali em Copacabana e que estava um pouco mais no fundo sentada em uma das cadeiras, acompanhando toda aquela farra da meninada.



Mas é a menção do nome Catch Side que gera gritos a cada vez que é pronunciado. Bruno sai e entra o som gravado de uma orquestra, que é a deixa para os meninos da banda entrarem. Vestidos de forma elegante, a maioria em branco e preto, a intenção é clara: a de ser bem pop. Terninhos, o vocalista de gravata, o baixista usando suspensórios, cabelinho tijela para o guitarrista, óculos "The Wonders" no baterista.



Falando na fictícia banda cinematográfica The Wonders, as primeiras músicas tocadas, "Dança Comigo" e "Barrados no Baile" mostram um grupo deixando o punk-pop um pouco de lado e tomando como referência outros quatro rapazes, citados como grande influência pelo vocalista Kaká, antes de começarem a tocar "Twist And Shout" dos Beatles.



Um fato curioso é que até esse instante, e assim se seguiria a maior parte do tempo, ao término das músicas não há muitos aplausos, só gritos de euforia. Talvez porque seja difícil aplaudir segurando máquinas fotográficas quase sempre levantadas para captar todos os momentos ou cartazes pedindo integrantes da banda em namoro, em casamento...



Alguma músicas mais "antigas" (antigas para um padrão de tempo de alguém com 15 anos; coisa de 1, 2 anos atrás) aparecem com espaços para o público devotado e participativo cantar junto como em "A Velha Novidade". Mãozinhas ao ar (com máquina e tudo) também são pedidas e atendidas.



Outra (nova?) influência é mostrada com um cover de "Anna Júlia" do Los Hermanos. Mesmo em músicas mais nervosas há espaços fartos para os momentos canta-junto onde se canta sobre amor e também sobre sonhos e mensagens de auto-ajuda para adolescentes acreditarem no próprio taco.



Quando é a vez do Supergalo, a idade do público aumenta um pouquinho - mas não tanto, na verdade fica mais variado - e o gênero masculino passa a predominar na frente do palco, mas enconstadas no palco mesmo continuou um grupo de meninas dispostas a curtir o rock de Alf e cia.



E parece que não se arrependeram, pois a maioria ficou até o final. As que saíram antes mesmo da banda começar ficaram lá fora pegando autógrafos e tirando fotos com o pessoal do Catch Side. Lá dentro Supergalo abria seu repertório de punk rock vigoroso e dançante com "Rei do Não" e "Bombando em Bagdá".



"Ela É" traz tímidas rodas de pogo e cabeças balançando, inclusive da Dona Esther, que parecia aprovar o som da banda. Não há espaço para tomar fôlego e "O Clone" é emendada, com sua sonoridade de surf music. Aqui deixam de ser ouvidos os gritos de histeria e os aplausos voltam ao final das músicas. No máximo ouvem-se gritos de "Rock'n'Roll!".



O vocalista e guitarrista Alf e o guitarrista Marcelo Vourakis aproveitam para brincar sobre a forma que foram apresentados antes de subir no palco, como veteranos do rock, e avisam que vão tocar uma música de uns caras mais velhos: "God Save The Queen" do Sex Pistols.



Eles poderiam tocar músicas de suas bandas antigas para trazer um público saudosista de Raimundos (do baterista Fred), Rumbora (Alf) ou Maskavo Roots (Vourakis). Mas eles preferem recomeçar do zero, como uma pedra rolante que não cria limo, e apostam suas fichas na novidade das composições de Alf.



Veteranos? Você nota que eles são veteranos na esperteza de um setlist bem amarrado e na forma relaxada como tocam, coisa de quem sabe há muito tempo os caminhos mais interessantes para um show intenso de rock'n'roll. "O Rock está vivo" é uma das frases que talvez resumisse o sentido de estar ali.



Ainda há espaço para uma pequena aula de rock, com "Girl U Want" do Devo, onde Alf desafia os jovens na platéia a dizerem de que banda é essa música. Alguém diz "Pink Floyd". Pelo visto ainda há muito a ensinar.

Nenhum comentário: