Novidades musicais de todos os tempos. Também estamos em:

Flickr : Youtube : Twitter : Facebook

Destaques do site:

domingo, 23 de novembro de 2008

Sinuoso (ou duas segundas) - Parte 1

Em um espaço de uma semana, duas segundas-feiras, vi Marcelo Camelo (você sabe, um dos vocalistas do Los Hermanos) tocando suas músicas e respondendo, ou parecendo que responde, algumas perguntas de jornalistas, do público, de internautas. Começando sobre as músicas na segunda segunda-feira, 17 de novembro, onde ele veio solo mesmo, só ele e o violão, para o auditório d'O Globo. Foi uma segunda-feira caótica no Rio de Janeiro. Chuva forte, ventos fortes, ruas alagadas, trânsito parado e o resultado de somente umas 50 pessoas no auditório. Cheguei enquanto ele já tocava "Casa Pré-Fabricada", vinda do disco Bloco do Eu Sozinho, da sua banda-em-recesso (antes ele havia tocado "Liberdade", do seu trabalho solo). E não teve muito mais que isso.


Marcelo Camelo - 17/11/08


Tocou uma parceria dele com Marcos Valle, através de uma pergunta empurrada pelo jornalista Antônio Carlos Miguel, que é grande amigo do compositor da segunda geração da bossa nova. Sem letra, Marcelo se limitou a tocá-la e fazer uns "pa pa pa" que seriam a melodia da música. Depois, a pedidos, tentou tocar "Conversa de Botas Batidas", do disco Ventura. Mas ele só cantou algumas frases e logo parou, explicando que não sabia tocá-la no violão, para frustração dos que pediram. Depois, durante alguma das perguntas, Camelo mostrou o que seria a primeira música que ele fez na vida (ou será que foi a primeira música que ele aprendeu? Veja um trecho aqui). Era um instrumental simples e bonito, e se foi isso mesmo que entendi, foi um momento em tese especial para os fãs, mas não vi nenhum comentário entusiasmado sobre isso.


Marcelo Camelo - 17/11/08


A última música que ele tocou foi a primeira metade de "Santa Chuva", que, afinal de contas, era um tanto irônico, já que a chuva que havia caído horas antes não tinha nada de santa. De qualquer forma, foi bonito de ouvir, já que ele não tinha cantado na semana anterior, no Teatro Rival. E é sobre o show no Rival, onde o Hurtmold aparece e eleva as melodias de Camelo é que falo na próxima postagem.

Nenhum comentário: