Novidades musicais de todos os tempos. Também estamos em:

Flickr : Youtube : Twitter : Facebook

Destaques do site:

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

25 shows nacionais de 2010 - 1: Hermeto Pascoal

1 - Hermeto Pascoal
16/04/10 - Copacabana Palace
20/07/10 - Sesc Ginástico, Rio de Janeiro


Hermeto Pascoal e Aline Morena - 20/07/10


Tive o privilégio de assistir Hermeto Pascoal duas vezes ano passado. Uma das vezes foi em dupla com sua esposa Aline Morena, os dois explorando diversos instrumentos, dos mais convencionais aos mais malucos, de piano e violão a macaco de brinquedo e piscina plástica cheia de água.


Hermeto Pascoal e Aline Morena - 20/07/10


Mas não se engane se acha que o show de Hermeto é somente um festival de sons tirados de objetos incomuns. A apresentação dele com seu sexteto no Copacabana Palace foi uma das maiores emoções da minha vida. Foram raríssimas as vezes que me deparei com o tipo de possibilidade que o grupo de Hermeto conseguie criar com a música.


Hermeto Pascoal e Aline Morena - 20/07/10


Eu vi um show do Paul McCartney em 2010, mas não posso deixar de lembrar junto a isso que vi dois shows de Hermeto Pascoal. Se isso não faz de 2010 inesquecível (junto de tantas outras alegrias), o que mais fará? Sobre o show no Copa:


Hermeto Pascoal - 16/04/10


O Copacabana Palace é um dos mais tradicionais e antigos hotéis luxuosos do Rio de Janeiro. Pelo seu tamanho e sua história, deveria ser considerado um ponto turístico da cidade, mas talvez, por todo seu tradicionalismo, iniba visitantes a darem um passeio por suas dependências.



Eu mesmo nunca tinha pensado dessa forma até me deparar com a notícia do Copa Fest, festival de música instrumental que aconteceu em abril em um dos salões do hotel. Oportunidade perfeita para, além de ver como o Copacabana Palace é por dentro, conferir um (cada vez mais raro por aqui) show de Hermeto Pascoal.



Apesar da programação do festival ser voltada a instrumentistas de jazz, bossa nova e mpb, a idade média dos presentes era um pouco mais baixa do que se poderia supor. O número de pessoas dispostas a beber algo também devia ser menor que o normal por lá. Uma garrafa de água custava 7 reais. Uma garrafa de champanhe podia custar mais de 300 reais. Mesmo assim alguns grupos bebiam champanhe animadamente ouvindo o som colocado pelo coletivo Vinil é Arte no salão do lado do local dos shows.



Com algum atraso em relação ao horário marcado, o sexteto que acompanha Hermeto Pascoal vai entrando no palco, onde o que chama atenção naturalmente é a espécie de banca suspensa de instrumentos de percussão inusitados. Serrote, tampa de panela, sinos e peças não-identificáveis. Mas se engana quem acha que o show é feito só de bater nesses objetos.



O restante da banda, composta de bateria, baixo, sax, piano e uma vocalista é bem mais significativa nessa história. Os seis músicos jogam uma enxurrada de notas e ritmos preparando a entrada de Hermeto, que comanda um teclado e dá ordens para a banda como se fosse o maestro de um hospício sonoro.



Quando ele fez sinal para que todos os músicos parassem e só o piano tocasse - e no piano não havia espaço para silêncio ou pausas - foi que fui fisgado por aquele som e permaneci emocionalmente abalado por mais uma meia hora com cada movimento vindo do palco. A música toma forma de jeito que eu não lembrava de ter visto antes e num instante se desmanchava para se transformar em outra coisa.


Hermeto Pascoal - 16/04/10


A exploração dos limites da imaginação chegou até o ponto em que Hermeto sozinho com seu teclado improvisava acordes grandiosos e inventava e adaptava versos de amor ao Rio e Copacabana. Depois disso, tudo, tudo que acontece quando ele ou o percussionista tira sons de tamancos, chaleiras ou patinhos de borracha é divertido, mas a prova que a música tem infinitas possibilidades já havia sido dada na vertiginosa meia hora inicial.


Hermeto Pascoal - 16/04/10


No fim, Hermeto e os músicos descem do palco até uma saída lateral, cada qual tocando um instrumento acústico. Mesmo muito tempo depois dos aplausos terminarem é possível ouvir bem baixinho que eles ainda estão tocando, onde quer que estejam dentro do Copcabana Palace.

E acho que dois meses depois eu ainda posso ouví-los tocando baixinho por aqui.

Nenhum comentário: