Novidades musicais de todos os tempos. Também estamos em:

Flickr : Youtube : Twitter : Facebook

Destaques do site:

domingo, 9 de janeiro de 2011

25 shows nacionais de 2010 - 19: Gabriel Muzak

19 - Gabriel Muzak
01/09/10 - Casa da Gávea
27/10/10 - Circo Voador, Festival Mola


Gabriel Muzak - 27/10/10


Tive a sorte de ver não só um, mas dois shows do Gabriel Muzak ano passado. O primeiro, na Casa da Gávea, leva um repeteco do texto que escrevi aí embaixo. O segundo, durante o MoLA no Circo Voador, confirma o que escrevi antes, com Muzak ainda mais confortável em seu desconforto com o papel central numa banda. E vice-versa.


Gabriel Muzak - 01/09/10


Entre o final de 2005 e ontem (01/09/10) eu assisti a três shows de Gabriel Muzak. Se ele fez algum outro show além desses três nesse período deve ter sido algo bem secreto e pouco divulgado, caso contrário eu estaria lá. Porque é bom ouvir um artista que consegue condensar e extrair o melhor do som daquilo que orbita em torno dele.



É como se ele respirasse o som das ruas no caminho da casa para o estúdio, do estúdio para a casa. E o que existe nas ruas do Rio de Gabriel Muzak? Tem samba que é tudo menos samba, falatório em boteco, o Rogério Skylab e o Zumbi do Mato, prateleira de supermercado, o DomênicoMorenoKassin, engarrafamento, o rap com palavras que ultrapassam a métrica, Jimi Hendrix, Funk (Fuckers), Rock(z), bossa nova, DJ e o escambau.



Gabriel Muzak - 01/09/10



Ele respira tudo isso (e no caso do Muzak, antigamente conhecido como Nareba - não somos parentes -, há espaço ali para respirar isso tudo) e quando solta o ar pela boca o que aparece é, como ele mesmo faz referência, um sistema de som tropical orgulhoso de uma condição terceiro mundista hoje em dia nem tão mais em voga assim, mas extremamente relevante.



E é com essas intenções, muito mais do que pós-tropicalistas e sim, intenções de um "pós-maldito", que, assim como os artistas "malditos" dos anos 70, lutavam contra suas inadequações para mostrar sua genialidade em cima de um palco, Muzak entra em conflito com as próprias palavras e sua própria presença física entre uma música e outra. Mas quando é a hora do show é que sua missão de entreter e mostrar o seu mundo se consagra.


Gabriel Muzak - 01/09/10


Outro fato curioso é que os três shows que vi do Gabriel Muzak nos últimos cinco anos foram com formações totalmente diferentes. Desta vez quem o acompanhou foi Rafael Rocha na bateria, Alberto Continentino no baixo e Fábio Lima na outra guitarra. O que não fica alterado mesmo é a qualidade.



Gabriel Muzak - 01/09/10

Nenhum comentário: