Novidades musicais de todos os tempos. Também estamos em:

Flickr : Youtube : Twitter : Facebook

Destaques do site:

terça-feira, 25 de março de 2014

O pós-carnaval 2014: Bloco-protesto no Carnaval que nunca termina




Voltar Pra Quê?, é o nome de um bloco que concentra na rua do Teatro Rival e faz um passeio em volta da Cinelândia na quinta-feira logo após o "fim" do carnaval. Também faz um bom questionamento, apesar do caminhão de som ter um volume tão alto e estourado que acaba nos fazendo preferir é voltar a trabalhar mesmo.



Na sexta, o Cordão do Prata Preta iniciava por volta de nove da noite a sua Batalha de Confetes na Gamboa. Ainda no início, e somente foi possível ver o início, foi bonito ver as árvores da praça enfeitadas com dezenas de serpentinas. Ao sair, dava para ver que começava a chegar bastante gente, incluindo músicos que tocam na Orquestra Voadora. Fica uma curiosidade: como sair da Gamboa depois de meia-noite?








O sábado pós-carnaval ainda tinha boas opções como os tradicionais Quizomba, Mulheres de Chico e o recente Caetano Virado, mas com a chuva, que finalmente apareceu, a melhor notícia foi o fim da greve dos garis, com vitória da categoria, permitindo que a cidade não virasse um Rio de chorume.



Então passemos ao domingo, onde no começo da tarde o novato Fanfarra Black Clube encerrava sua ressaca de carnaval um pouco acima da Praça Odylo Costa Neto, em Santa Teresa. A proposta do grupo é muito boa, mandando black music, como o nome sugere. Já no fim do bloco, uma galera improvisava "Baby Doll de Nylon", uma música de Caetano Veloso e Robertinho de Recife que volta e meia ressurge por aí e agora, pelo visto, no carnaval também. Porquê? Porque a música é legal, oras...









No meio da tarde começava mais um bloco-manifestação, desta vez em dose dupla. Começando com o Comuna Que Pariu, cantando na Praça Saens Peña, Tijuca, o excelente samba-enredo "A Revolução Foi a Copa Que Pariu". Sim, um bloco formado por comunistas, bem vindo ao Rio de Janeiro. A revelação do carnaval 2014, Tatu Derrado estava lá, avisando que não vai ter Copa.







Logo depois da concentração do Comuna Que Pariu, foi a vez do bloco Nada Deve Parecer Impossível de Mudar sair da Saens Peña e desfilar em direção ao Maracanã, fazendo o seu BlocAto. Muita gente usou roupas e lenços laranjas, e até mesmo o uniforme dos garis, que foram tão atacados por mídia e governo municipal nos dias anteriores.









O repertório do BlocAto consiste em marchinhas tradicionais com letras alteradas para dar conta dos assuntos que surgiram a partir das manifestações em junho do ano passado, e os seus dois números mais executados: "Cabral é Ditador", que todo mundo deve conhecer, e "Rap da Felicidade".











Pouco antes de chegar ao Maracanã, o bloco teve um motivo de animação a mais quando passou um caminhão da Comlurb, que foi bastante festejado. Já na estátua do Bellini, foi colada a marca do #ocupacarnaval na bola que fica sob seus pés e um pano laranja foi atirado, simbolizando os garis. Um policial tentou tirar as homenagens e, além de não ter sido muito bem-sucedido, foi impiedosamente vaiado.







Pronto, fim de domingo, o carnaval acabou, correto?



Risos.



A seguir, para desespero de todos os leitores que sobraram, o pós-pós carnaval, com Agytoê  e o Vamo ET. Terminar pra quê?



Nenhum comentário: