Novidades musicais de todos os tempos. Também estamos em:

Flickr : Youtube : Twitter : Facebook

Destaques do site:

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Público vs. Sinead O'Connor

A apresentação de Sinead O'Connor no Saturday Night Live, que eu coloquei aqui dias atrás, junto com outros momentos musicais no programa, é um dos momentos mais comentados na história da música. Aposto que você já sabe do que se trata, mas caso contrário, assista o vídeo abaixo até o fim:









As mãos tremendo ao rasgar a foto do Papa após uma atuação tão emocionada ao cantar a capela "War" de Bob Marley chocou os telespectadores americanos. Mas isso não foi nada.



Poucos dias depois ela se apresentaria em um tributo a outro Bob, o Bob Dylan, no Madison Square Garden, em Nova Iorque. O que se seguiu foi um dos momentos mais avassaladores de toda a história da música no mundo. Bem melhor que você veja:







Imagine você ouvindo dezenas de milhares de pessoas te vaiando com uma raiva cega. Os poucos aplausos não conseguem se sobrepor à massa ensandecida de ódio pela atitude da cantora dias atrás no Saturday Night Live.



Após dois minutos de vaias incessantes ela começa a gritar a mesma "War" de Bob Marley, com mais raiva do que qualquer espectador tivesse por ela, com mais intensidade do que qualquer pessoa pudesse sentir qualquer coisa ali naquele estádio e de repente as vaias começam a diminuir, diminuir, até que não houvessem vaias que pudessem ser ouvidas.



Quando ela acaba de cantar o verso "everywhere is war" a reação da platéia é explosiva, mas dessa vez não dá pra dizer o que é apoio e o que é apupo no meio dos gritos da multidão. Kris Kristofferson a consola. Não poderia haver tributo melhor (por parte de Sinead, pelo menos) a Bob Dylan.

Um comentário:

Anônimo disse...

Belo post. Parabéns! E a Sinéad apenas queria denunciar a pedofilia na Igreja Católica, em especial da Irlanda, que estava tentando abafar um escândalo envolvendo padres pedófilos. Quase quinze anos depois, a Igreja foi condenada a pagar indenização e o Papa Bento XVI teve que pedir desculpas aos católicos. Deveria, também, ter pedido desculpas à Sinéad.