Novidades musicais de todos os tempos. Também estamos em:

Flickr : Youtube : Twitter : Facebook

Destaques do site:

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

200 Discos Nacionais dos Anos 00 - 070 a 061

070 - Orquestra Imperial - EP (2006)

Dentre as pessoas que gostam da Orquestra Imperial, devo ser uma das poucas pessoas que não gosta do primeiro disco deles, Carnaval Só Ano Que Vem. Contudo, o Mini-EP lançado um pouco antes, com três músicas que costumam fazer parte dos shows mais uma, instrumental, cansou de tocar por aqui. "Me Deixa em Paz" é cantada por Nina Becker, Moreno interpreta "Sem Compromisso" e "Obsessão" vem na voz de Amarante, três clássicos bem conduzidos e bem gravados pela penca de músicos (passa de uma dezena) que participa da Orquestra. "Popcorn", a instrumental (veja a original aqui), se transforma em uma mistura de jazz-funk dos anos 70 com afrobeat, como se Shaft se passasse em Nigéria. Ainda dá pra ouvir essas músicas no myspace do grupo.



069 - Violins - Redenção dos Corpos (2008)

"Rei Pornô". "Festa Universal da Queda". "Manobrista de Homens". "Exemplar do Fundo do Poço". "Terrorista Justo". "O Fim da Música Como Arte". Se com esses títulos você não tiver no mínimo curiosidade de saber sobre que diabos Violins está cantando, eu não sei o que fará. A metade inicial do disco é mais calma, com violões, teclados e programações eletrônicas e na parte final entram bateria, baixo e guitarra. Todas as músicas citadas se destacam não só pelo título, além de "Longo Karma", "Problema Meu" e "Entre o Céu e o Inferno".



068 - Graforréia Xilarmônica - Ao Vivo (2006)

Vá lá que a banda tinha acabado já fazia um tempo, só fazendo shows esporádicos e aqui só há duas músicas inéditas, "40 Anos" e "Enchente de 41". Mas seria impossível deixar de fora dessa lista o excelente registro ao vivo da Graforréia Xilarmônica, que traz todos os maiores clássicos da banda, entre eles "Nunca Diga", "Eu", "Meus Dois Amigos", "Empregada", "Você Foi Embora", "Literatura Brasileira", sem contar "A Técnica do Baixo Elétrico", um primor do nonsense.



067 - Superguidis - A Amarga Sinfonia Do Superstar (2007)

O segundo disco do Superguidis vem mais produzido e polido que o primeiro, o que poderia ser algo ruim para uma banda que é influenciada por Pavement e Guided By Voices e outras bandas da cena alternativa americana dos anos 90. Mas não foi ruim porque eles não descuidaram de dois aspectos importantes: os timbres das guitarras de Lucas Pocamacha e Andrio Maquenzi, um casamento perfeito de distorção; e nas composições, sempre com idéias bem sacadas para falar de coisas comuns, como é o caso de "Mais Um Dia de Cão", "Por Entre As Mãos", "O Cheiro de Óleo", "Os Erros Que Ainda Irei Cometer" e minha preferida "Apenas Leia".



066 - De Leve - O Estilo Foda-se (2003)

De Leve é um cara que faz um disco de rap que logo na primeira música diz que não ouve só rap porque rap enjoa. Então méritos pra ele que fez um disco de rap que demora bastante pra enjoar, falando tudo que vem à cabeça, desde detonar a turma da gravadora Trama ("Pra Bombar No Seu Estéreo") a prós e contras sobre sexo durante a menstruação ("Menstruação"), de odes ao alcoolismo ("Caipirinha Man") à defesa do próprio código de vestimenta ("Largado"). Preocupação em ofender alguém, em queimar o próprio filme? Não, esse é o estilo foda-se.



065 - Video Hits - Doces, Refrescos e Tratamentos Dentários (2000)

A diferença da Video Hits para outras citadas da "cena power pop gaúcha" (ou algo assim), Bidê ou Balde e Wonkavision, é que Video Hits carregava um pouco mais de abstrações e referências musicais diferentes, vindas da cabeça hiperativa do líder Diego Medina. O primeiro (e único) disco oficial peca um pouco na comparação com as mesmas músicas que foram registradas nesta demo chamada Doces, Refrescos e Tratamentos Dentários. Climas épicos, baladas, backing vocals, jovem guarda e vocais carregados de emoção. E, meu Deus, quem escreve uma letra que diz "Eu queria ser / o Lanterna Verde pra você"??? Foda. "Cozinha Oriental", "Sobras", "(Vo)C", "Furacão", "O Basset Azul", "Sentido Anti-Horário" e "Bomba", qualquer uma dessas valem a pena. E se ficar na dúvida procure o disco Registro Sonoro Oficial.



064 - Carne de Segunda - Demo (2004)

Uma banda de amigos que cresceram juntos e foram se tornando músicos tarimbados tocando com outros artistas, mas tinham seu próprio trabalho para mostrar. Essa é a história do Do Amor, que antes se chamava Carne de Segunda e tinha Bruno Levi na guitarra, no lugar do Ricardo Dias Gomes que foi pro baixo e hoje no Do Amor Gabriel Bubu é o feliz proprietário do posto da guitarra ao lado de Gustavo Benjão. Eles tinham também um punhado de canções malucas que mesmo vindo de uma gravação (que parece ser) de ensaio precisam ser ouvidas: "Morena Russa" (que o Do Amor ainda toca), "Pula Essa Fogueira Mal Amado", "Se É Que Você Me Entende" e "Bloco Neguinho". Aproveite pra ouvir tudo disponível na tramavirtual.



063 - Wado - Terceiro Mundo Festivo (2008)

Após um tempo fazendo parte do grupo Fino Coletivo, Wado voltou à carreira solo com uma sonoridade mais pop e produzida. É no Terceiro Mundo Festivo que o que vinha sendo dito no título de Manifesto da Arte Periférica (nº 156 da lista) começa a tomar forma. "Reforma Agrária do Ar" clama por maior democracia nas rádios e, musicalmente, ao samba, pop e funk de outros discos é acrescido um clima meio samba-reggae, axé e ragga eletrônico em faixas como "Leva" e "Recado", que é a tradução para o reaggaeton / afoxé escrito na capa do disco ao lado de brazilian eletro / funk / disco escrito na capa. Além dessas, muita canção boa, como de costume: "Fortalece Aí", "Melhor", "Teta" e a genial "Fita Bruta".



062 - Curumin - Japan Pop Show (2008)

Eu já tinha falado aqui da dobradinha "Compacto" / "Magrela Fever", que quase eclipsa o resto do disco. O Túlio já tinha falado de "Caixa Preta", com participação de Lucas Santtana e BNegão. Nós deveríamos ter falado também de "Kyoto" e "Mal Estar Card" e de golpes certeiros como a instrumental "Salto com Joelhada no Vácuo". Influências como o já citado BNegão parecem transparecer, deixando um pouco de lado o "modo Jorge Ben" do disco anterior, que mesmo assim aparece forte em "Mistereo Stereo".



061 - Zefirina Bomba - Noisecoregroovecocoenvenenado (2006)

Bem vindos de volta a 1991. O Zefirina Bomba é cria direta do Nirvana com uma pegada de surf music e hardcore substituindo a porção metal lentão que existia no grupo de Seattle. E ouvindo o disco você não diz, mas o vocalista Ilsom faz aquela barulheira toda com uma rústica viola eletrificada, embora eu não acredite muito nisso, mesmo já tendo visto ele tocando a bichinha, toda remendada. Ouça "Sobre a Cabeça", "Dia Inteiro", "Vá Se Fuder" e "O que é que Tem pra Tu Vê na TV".

Nenhum comentário: