Novidades musicais de todos os tempos. Também estamos em:

Flickr : Youtube : Twitter : Facebook

Destaques do site:

sexta-feira, 7 de junho de 2013

Virada Cultural 2013, parte 3: Black Star





A saída do show do Metá Metá, como disse, foi tranquila, e as ruas por aqueles lados entre a 25 de Março e a Estação São Bento estavam mais cheias. Havia um palco tocando forró antes de cruzar o Vale do Anhangabaú em direção ao Palco Júlio Prestes para assistir a dupla americana de rap Black Star.




Sim, os rappers Talib Kweli e Yasiin Bey que formam o Black Star são americanos. Se disser que Yasiin também é conhecido como Mos Def ajuda um pouco, certo? Tanto Mos Def quanto Talib tem suas carreiras solo, mas de vez em quando voltam a juntar forças para mostrar músicas do único disco que lançaram, em 1998, além de outras que gravaram em seus próprios discos e outros projetos.




No caminho para o palco, pude ver policiais batendo em um sujeito e deixando ele ir embora. Mais à frente, uma multidão correndo, por motivo não muito claro (as notícias posteriores dariam conta de ser um arrastão). Os policiais entraram no carro calmamente e dirigiram em direção oposta à confusão.




Felizmente, sem nenhum outro tipo de percalço até chegar à frente do palco, foi possível ver com tranquilidade o show, com o único problema que próximo à grade os ouvidos doíam com o som tão alto (e mal equalizado). Mas o clima estava muito bom, e a cada batida trazida pelo DJ J.Rocc era satisfatório ver uma molecada grande, fã de rap, se emocionando e pulando.








O melhor momento certamente foi na dobradinha "Definition" e "Re:Definition". Se Mos Def e Talib Kweli soubessem do quanto a galera ia ficar empolgada de qualquer jeito, nem iam precisar de todas aquelas coisas manjadas de tentar falar em português, incluindo frases no nosso idioma pichadas no palco.









Mos Def já veio ao Brasil antes e talvez seja um pouco mais do que papagaiada a entrada de uma bateria de escola de samba no começo e no fim da apresentação. Mas não cheguei a ver isso, porque como havia muito ainda a conferir na Virada, depois de mais de uma hora de show a curiosidade bateu forte em direção ao Largo do Arouche para descobrir o que o Kaoma poderia oferecer...



Nenhum comentário: