Novidades musicais de todos os tempos. Também estamos em:

Flickr : Youtube : Twitter : Facebook

Destaques do site:

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Boogarins, Carne Doce e Luziluzia no Circo Voador em fotos e vídeos (28/01/2017)





São três da manhã e o público já está há bem mais de uma hora ouvindo músicas que não tocam e provavelmente nunca tocarão nas rádios ou no horário nobre da televisão aberta e nem em qualquer outro horário.







A psicodelia do Boogarins hipnotiza. E hipnotizou a garotada. Uma garotada que a cada show dos goianos no Circo Voador marca presença em número maior e maior e que só não fez o mesmo no Oi Futuro Ipanema ano passado por falta de espaço.







E é uma garotada que parece ser mais abrangente que o costumeiro público de outros shows de bandas e artistas independentes quando acontecem na Lapa. Todas essas observações eu já havia feito durante e um dia depois do show no Twitter e no Instagram.







E sobre o que é um show, acho que as resenhas anteriores linkadas acima podem dar uma ideia. Já falamos aqui sobre a psicodelia, a voz etérea-malemolente do vocalista e guitarrista Dinho Almeida, os efeitos e as melodias que saem da guitarra de Dinho e de Benke Ferraz, a influência de Jupiter Maçã, o monstro que é Ynaiã Benthroldo na bateria e o quanto isso pode ter influenciado para o Boogarins ser o que é hoje.







O que mais pode ser notado a partir do show mais recente no Circo é o quanto tintas de rock progressivo setentista, em especial da safra brasileira, parecem brilhar mais forte em alguns momentos. E que o público é totalmente devotado já foi dito, mas até mesmo em momentos apenas instrumentais, como "San Lorenzo" isso acontece. Impressionante.







Quem abriu a noite foram os conterrâneos do Carne Doce. Se ainda não tem a surpreendente quantidade fãs que o Boogarins já tem no Circo, não só não ficam muito atrás, como já tem aquele tipo de fã que chega quando a casa abre e fica colado na frente do palco esperando a banda tocar.







Natural para uma banda que, apesar de alguns momentos até mais experimentais, é pop, como já notamos ano passado no festival Vaca Amarela. Um pop goiano, brasileiro, pegando elementos de todos os lados para dar forma às ideias do casal que criou a banda: a vocalista Salma Jô e o guitarrista Macloys Aquino.







Diferente do Boogarins, o Carne Doce poderia ter aquilo que antigamente chamaríamos de sucessos radiofônicos. Músicas como "Princesa", que dá nome ao disco e abre a noite, mostram isso de forma bem clara, assim como "Cetapensâno" e "Artemísia", também do mais recente trabalho, o que demonstra a evolução nas composições.







Essas composições sem a performance vocal e corporal de Salma não seriam a mesma coisa. Nem sempre as movimentações de cantores no palco podem dar certo, em especial se exagerar na teatralidade. Mas no caso de Salma parece que sua forma de agir parece mais sincera e espontânea. Já na parte vocal ela se esbalda de tal forma que nem sempre a banda consegue acompanhar.







Em "Falo", por exemplo, ela engole as guitarras, o baixo, a bateria, tudo. É interessante, mas a despeito das qualidades mostradas no show pelo baterista Ricardo Machado seria curioso ver essa música com um baterista monstruoso como o Ynaiã Benthroldo do Boogarins, por exemplo. Já em "Passivo" tudo funciona perfeitamente entre voz, performance, banda, instrumental. Lembra um pouco PJ Harvey de tempos mais antigos.







A essa altura Salma já está sem a blusa e o público em êxtase.







Entre Carne Doce e Boogarins aconteceu um show não programado ou anunciado do Luziluzia, grupo que conta com integrantes do Carne Doce (o já citado Ricardo na bateria e João Victor Santana na guitarra) e do Boogarins (Benke Ferraz na guitarra e Raphael Vaz no baixo e vocais).







A apresentação é bem curta, mas o que se pode perceber é que o som é mais calcado em um indie rock meio garageiro, com as guitarras em pelo menos uma das músicas lembrando Oasis. Uma boa introdução para a banda, tocando de supetão para uma casa cheia e animada.







Os vídeos do show do Carne Doce podem ser vistos aqui ou abaixo:




Músicas gravadas:

Carne Doce - "Cetapensâno"
Carne Doce - "Artemísia"
Carne Doce - "Adoração"


Fotos outras além das vistas acima, de autoria de Dine Araújo, é só entrar aqui.





O vídeo que gravei do Luziluzia você vê aí embaixo mesmo:



E mais fotos aqui.





Por fim (ufa!), os vídeos do Boogarins aqui ou abaixo:



Boogarins - "6000 Dias (Ou Mantra de 20 Anos)"
Boogarins - "San Lorenzo"
Boogarins - "Lucifernandis"
Boogarins - "Tempo"


E as fotos aqui.

Nenhum comentário: